Suicidio

SUICIDIO 

Assunto polêmico, existe, está aí, e ninguém gosta de olhar. 

Para o ser humano é muito estranho ver o outro tirar a própria a vida, isso porque a maioria dos seres humanos tem uma energia dentro de si como todos os animais, que se chama instinto de sobrevivência. O instinto de sobrevivência, é o que nos causa certos medos e cautelas e também o impulso de lutar por nossas vidas. 

“Ah, mas o suicida não tem esse instinto de sobrevivência?” - Tem sim, todos nós temos. Acontece que existem fatores muito particulares e mais abrangentes para a situação que ocorre com uma pessoa que é discriminada como suicida. 

Ser um suicida não está somente relacionado àquelas pessoas que cometeram o ato e veio à óbito, está ligado à pessoas também que por várias vezes já comentaram a tentativa do ato e por alguma razão não obterem o resultado pressuposto que era a morte. A pessoa suicida já vem com isso dentro dela, e possivelmente por alguns estudos pode ser genético, já haver casos na família anterior. 

Existem várias situações para o suicido. 

a) queles casos recorrentes à fatores externos quando um pai de família (geralmente isso ocorre com homens), perde o emprego, não sabe mais o que fazer se desespera e comete o ato. Geralmente esses são os que mais ocasionam a morte de fato. Essa pessoa nunca pensou na vida dela em cometer o ato, foi legitimado por um impulso expontâneo de desespero o qual ela não mediu e não pensou em nenhum outro fator de solução no momento e realizou. 

b) existem aquelas pessoas que já tem esse fator de pensamento, são pessoas que não se aceitam, acham que não se enquadram em nada nesse mundo, acreditam que elas não servem para nada, e por mais que façam coisas boas e legais, elas estão sempre pensando nessa possibilidade. Algumas delas já tentaram por diversas vezes cometer o ato, mas por alguma razão ele não foi concluído, ou seja, ela não conseguiu chegar à óbito, seja por alguém ter chego à tempo, o ato não ter sido feito da maneira correta, ou até mesmo haver falhas. Existem pessoas que chegaram a atirar em suas cabeças, e não morreram, mas deixaram sequelas físicas desastrosas.

c) ou está ligado à outras doenças recorrentes à depressão, dependendo o estágio da depressão, existe a auto-sabotagem física levando até os atos de suicídio que é o mias recorrente. 

Geralmente esses suicidas da classificação “B” necessitam de um propósito de vida para o que segure a não cometer o ato, isso pode ser projetos em que ele possa se sentir útil e bem quisto, pessoas, coisas que dependam dele para a sobrevivência - isso mesmo! Muitos acham que um suicida não está nem aí para os outros, quando na verdade o problema dele é consigo mesmo, mas ele tem um grande interesse e afeição por outras pessoas e/ou coisas que o faz perder o foco dele mesmo e trabalhar em prol aquele objetivo, pessoas ou coisas. 

Mas o que leva uma pessoa ser um suicida?

Normalmente o suicida, como falei acima, já nasce assim, faz parte de uma patologia e muitas vezes tem haver com gene, caso anteriores em família, ou propensão. Como alguns imaginam, nem sempre pessoas com depressão comentem suicídio, existem níveis de depressão, e a maioria desses a pessoa não chega a cometer atos de suicídio e nem pensa nisso. Acontece que o suicida mesmo estando em situações benéficas de sua vida, ele ainda está pensando sobre o assunto. 

Escutamos todo tipo de coisa como:

Quem quer se matar mesmo, se mata. 

Quem quer morrer não avisa… 

E por aí vai. Mas acontece que não existe formulas concreta para os casos, um se difere do outro, e não adiante frases e palavras e acusações sem fundamento. Muitos dos suicidas às vezes deixam sinais em meio as frases do que vai cometer e as pessoas não percebem, pois estão preocupadas com seus próprios mundos, muitos dos suicidas pedem socorro, ninguém quer realmente tirar a própria vida, porém chegou no ápice de esgotamento do não encaixe no mundo e com as pessoas que o rodeiam, não aceitam a si mesmos. Se já é difícil conviver com um terceiro que você não aceita, imagina conviver diariamente em todas horas. O Suicida apenas quer acabar com uma dor que não existe remédios em prateleiras de farmácia, essa dor, é tão forte, que a vontade chega a ser de querer gritar. 

Pessoas suicidas, devem evitar pessoas criticas demais que podem fazê-la com que se sinta ainda pior, logo que ela mesma não se vê com bons holofotes. Fazer atividades no que se acha bom, ou gosta, ter pessoas que o compreendam sem utilizar palavras como “você precisa, ir na igreja”, “isso é falta de Deus”, “isso é coisa do Demônio”, ajudaria muito ficar longe disso tudo. O suicida pode passar o resto de sua vida normalmente, sem cometer mais nenhum ato contra sua própria vida, pode vir a morrer com uma doença qualquer ou de velhice, mas saibam que o pensamento e a vontade de partir, sempre estará dentro dele, seja na circunstância que for. 

Identifique um amigo ou colega suicida, seja carinhoso com ele, a vida diária dele já é bem difícil convivendo consigo mesmo. 

0 visualização

São Paulo

11 98243-7890

skype: andreia_capraro

  • Blogger ícone social
  • Facebook ícone social
  • Instagram

Terças : 20h - 22h

Quintas: 20h - 22h​

© 2019 by Andreia Capraro.